O conceituado festival de jazz e música instrumental, o Savassi Festival comemorou sua 14ª edição retornando à cidade do Rio, com diversas atrações nacionais e internacionais em apresentações no CCBB e Oi Futuro Ipanema. Já tradicional em Belo Horizonte, o evento já reuniu mais de 300 mil pessoas desde a sua criação, que conferiram apresentações de jazz e música instrumental em teatros, bares, casas de shows, restaurantes e espaços públicos.

JAZZ A PREÇOS POPULARES

No Rio, o Savassi Festival contou com lançamentos de homenagens, comemoração de grandes parcerias e lançamentos de álbuns. Abrindo os trabalhos, a dupla Alon Yavnai e Joca Perpignan (Israel/Brasil), fruto da colaboração entre os dois ecléticos músicos, com conexão especial o público conferiu um show carregado de energia e paixão pelo trabalho.

A clarinetista e compositora Joana Queiroz, que durante quase dez anos que integrou a Itiberê Orquestra Família, com a qual gravou três discos e se apresentou por diversas cidades do Brasil, Argentina e Uruguai. Participou da gravação de 12 faixas do disco “Mundo Verde Esperança”, de Hermeto Pascoal e grupo, e de shows do lançamento do mesmo, além de gravar em 2008 o elogiado CD “Abrideira”, do grupo Fina Estampa, com direção musical de Maurício Carrilho.

O duo Gilson Peranzzetta e Mauro Senise celebraram 25 anos de parceria com um show imperdível. Com diversas apresentações ao redor do mundo em importantes festivais internacionais, a dupla preparou para o Savassi Festival um repertório exclusivamente brasileiro, mesclando composições de Gilson Peranzzetta com clássicos da MPB.

Kevin Hays e Sérgio Krakowski (Estados Unidos/Brasil) abriu a programação no Oi Futuro com um show autêntico composto especialmente para o Festival. Com formato acústico com piano e pandeiro, além da utilização de um sintetizador, a dupla explorou o visual como forma de expressão artística no palco.

Emiliano Sampaio Mereneu Project (Brasil/Áustria)  lançou o CD “The Forbidden Dance” dentro da programação do Savassi Festival. O CD é o terceiro disco do grupo, que mescla música brasileira, jazz e música de câmara. As composições de Emiliano Sampaio levaram o público em uma narrativa entre viagens, fantasia e sarcasmo, traduzindo em sons experiências surpreendentes e inesperadas.

Encerrando a programação carioca, os músicos Clarice Assad e André Muato fizeram um show em homenagem a Milton Nascimento. Com piano, violão de 8 cordas e suas vozes, o show fluiu por meio da musicalidade dos dois, em composições como “Maria Maria”, “Travessia” e “Milagre dos Peixes”,  além de outras obras gravadas pelo mestre. Um encerramento a altura do festival e da cidade!