Festival internacional de artes cênicas da cidade recebe atrações do Japão, Espanha, Inglaterra, Holanda, Bélgica e França, além de estreias nacionais, encontro de negócios, mostra de pesquisa cênica e exposições.

Em sua quinta edição, o TEMPO_FESTIVAL ocupou a cidade do Rio de Janeiro, de 10 a 19 de outubro de 2014, com espetáculos de teatro e dança, performances, música, vídeos, instalações, artes plásticas e intervenções urbanas. Dirigido por Bia Junqueira, Cesar Augusto e Márcia Dias, o Festival tem a participação de importantes companhias e artistas contemporâneos internacionais e brasileiros. Vale destacar também o II Encontro Artes Cênicas & Negócios, realizado em parceria com SESI Cultural e Sistema FIRJAN, que estimula o mercado das Artes Cênicas, por meio da troca de experiências e na geração de novos negócios.

“O TEMPO_FESTIVAL coloca o Rio de Janeiro na rota de importantes companhias internacionais, mas nosso compromisso vai muito além. Queremos, principalmente, formar e informar o público”, explica Cesar Augusto. Entre as novidades de 2014 houve a distribuição de folhas de sala antes das apresentações, com críticas e matérias sobre o trabalho que foi apresentado, e debates dos artistas com o público.

Ao longo de dez dias, lugares como Espaço SESC (Copacabana), Espaço Reduto (Botafogo), Oi Futuro (Flamengo), ECM Sérgio Porto (Humaitá), Teatro Glaucio Gill (Copacabana), Teatro Carlos Gomes (Centro), Centro Cultural Banco do Brasil (Centro), Biblioteca Parque Estadual (Centro), Teatro Dulcina (Centro), Parque Madureira (Madureira), Comunidade da Gamboa (Gamboa), além de praças e ruas abrigam a programação do festival. Para estimular a formação de plateia e o contato do público com diferentes formas de arte, o festival teve ingressos gratuitos ou com preços populares (até R$20).

Na programação internacional houve atrações da Espanha, Bélgica, Inglaterra, França, Holanda e Japão. Pela primeira vez na América do Sul, o diretor japonês toshiki okada, expoente na cena contemporânea asiática e europeia, apresenta o espetáculo Super Premium Soft Double Vanilla Rich. Antoine Defoort e Julien Fournet conduzem o espetáculo franco-belga Cheval. Há também duas companhias espanholas: La Veronal e La Tristura. Da Holanda, a artista visual e fotógrafa Diana Blok faz uma exposição irreverente nos mobiliários urbanos da cidade. Outro grupo que marca presença nas ruas com performances e interação com o público
é o francês Systèmes K – Etudes et Mesures Éphèmères. “Uma programação mais internacionalizada, que aponta para as relações entre o público e o privado, o indivíduo e o coletivo”, destaca Márcia Dias.

Os destaques nacionais são as estreias da peça ainda inédita no Brasil Depois
do ensaio, de Ingmar Bergman, com direção de Mônica Guimarães, de Carne, de daniela amorim e Karine teles, além da mostra hífen de pesquisa-cena com quatro espetáculos. Há, ainda, a exposição Peça Gráfica, que apresenta um recorte da cena teatral contemporânea carioca através dos cartazes de peças desenvolvidos pelo estúdio radiográfico ao longo dos últimos dez anos.

Uma parceria inédita com a Biblioteca Parque Estadual também marca a edição 2014 do TEMPO_FESTIVAL, com duas apresentações internacionais e uma nacional. Uma “caixa cênica” será montada especialmente para receber a versão contemporânea
e interativa do clássico Don Quijote dos ingleses Tom Frankland & Keir cooper em associação com o Último Comboio. No teatro, foi possível acompanhar o processo Sonata Fantasma Bandeirante, de Francisco Carlos, com Alessandra Negrini e Daniel Faleiros no elenco. Por fim, a intervenção urbana Les Scotcheurs Eclairés – do grupo francês Systèmes K – Etudes et Mesures Ephémères – vai chamar a atenção de quem estiver no local.

Que tal se transportar para a abertura do festival e saber o que o público acha do festival?